sábado, 19 de novembro de 2016

O que muda para o Brasil agora que Donald Trump ganho?


A vitória de Trump provoca uma volatilidade dos mercados causada pela incerteza das políticas internacionais de Donald Trump. Isso porque os mercados não conseguem prever o que ele pode fazer com a maior economia do mundo.
O Brasil poderia se beneficiar da maior abertura do mercado norte-americano para produtos brasileiros, de acordo com alguns especialistas, já que hoje os EUA são o segundo maior parceiro em comércio exterior do Brasil, somente atrás da China.

0

Historicamente, o partido republicano defende uma liberdade econômica, mas Trump não manteve essa lógica e propôs a renegociação de acordos definidos pelos EUA. Caso as ações anunciadas por ele fossem colocadas em prática, o Brasil poderia acabar prejudicado.
De acordo com a análise de Denilde Holzhacker, professora de Relações Internacionais da ESPM, o chamado “efeito Trump” poderia provocar um impacto negativo e gerar um caos na economia mundial, mas há algumas ressalvas.
“Para saber o quanto ele vai conseguir implementar disso, vamos ter que esperar. Ele é tão imprevisível e tudo fica tão indefinido que prejudica muito o cenário econômico”, explica.

Imigrantes

A small fence separates densely populated Tijuana, Mexico, right, from the United States in the Border Patrol’s San Diego Sector.  Construction is underway to extend a secondary fence over the top of this hill and eventually to the Pacific Ocean.
Grande parte do discurso de plataforma eleitoral de Trump se baseava na construção de um muro para evitar a entrada de imigrantes no país. Ele fez declarações polêmicas ameaçando expulsar os 11 milhões de imigrantes ilegais dos Estados Unidos. Atualmente, estima-se que um milhão desses sejam brasileiros.
Para a admissão de novos imigrantes, o novo presidente deve favorecer as pessoas de alta escolaridade e habilidades específicas, baseadas na chance de alcançar o sucesso no país. Já em relação à obtenção de vistos, Trump não fez muitas menções durante a campanha.

Brasil

3
Ao longo da corrida eleitoral, países da América Latina, incluindo o Brasil, não foram tratados como prioridade. Em outras oportunidades anteriores, Trump há havia citado o país como um dos tira vantagem dos EUA em práticas comerciais injustas, mesmo que a balança seja positiva para os americanos.
Segundo a professora de Relações Internacionais da Unifesp Cristina Pecequilo, não deve haver muitas mudanças para os brasileiros, já que o país não foi citado com frequência. Porém, o país pode perder relevância, já que os EUA podem estar focados em resolver os problemas internos.
Apesar das previsões, existe um certo consenso entre os especialistas de que o cenário apresentado por Trump é difícil de se avaliar. Por conta do elemento de imprevisibilidade ser uma forte característica do novo presidente, tudo fica difícil de prever.

Fonte: Fatos Desconhecidos